5 de janeiro de 2017

Mais devagar please


Estive na Terra do Fogo no final do ano passado e nenhum lugar que conheci me tocou tão fundo. O mundo lá parece calmo, vagaroso e profundo.

Já fui capitalista ao extremo, Vivia naquela roda gigante minuscula dos ratinhos no laboratório de pesquisa. Corria para consumir, depois corria para pagar o que tinha consumido e voltava a consumir.

 Um dia, logo depois que deixei o comercio exterior, ainda meio perdida,  fui visitar um projeto de esculturas.  Eram escultores de várias partes do mundo que  se deslocavam de suas casas para fazer uma escultura que demoraria de 30  40 dias. Depois voltavam para casa e esperavam até chegar a hora de uma nova viagem e um novo trabalho. Curiosa com este tipo de trabalho, perguntei a um escultor o que ele fazia entre uma obra e outra. IO VIVO ! Respondeu o italiano.

Hoje vivo de arte! Tenho tempo para ócio, para contemplação e para fazer a unha no meio da tarde. 

Por isso talvez gostei tanto deste lugar...Me fez ver que somos mais felizes quando nosso mundo é mais devagar.